UA-119529251-1
 

Objetiva/ A fé-menina de Nair Benedicto

A fotógrafa paulista Nair Benedicto (1940) em sua última mostra “Fé Menina” (São Paulo) exibiu trabalhos que ilustram sua percepção sobre o universo feminino através de um olhar provocadoramente etéreo e sensual, um olhar que legitima o prazer, a devoção e o estado de existir de suas protagonistas. Considerada uma das maiores fotógrafas do país, Nair Benedicto expôs uma coletânea de fotos em preto e branco e em cores que busca retratar a condição feminina desde os anos 1970 até a atualidade e cujo foco está direcionado e apoiado na figura fundamental da mulher em cada clique, pois segundo ela: “Mulher sempre foi um tema recorrente no meu trabalho. Eu considero esses registros fotográficos um pout pourri sobre a realidade da mulher brasileira, que é mostrada em diferentes situações: na prisão, em passeatas, em aldeias indígenas e no carnaval”.

 

 

A vibração, a dramaticidade e a potência que acompanham os conteúdos das fotos de Nair Benedicto são intensificadas pelo efeito óptico que os elementos visuais em preto e branco produzem entre si. Essa mescla viceral entre o conteúdo/mensagem e a forma retradata em cada foto permite ao observador ter acesso a uma combinação de percepções díspares e, ao mesmo tempo, complementares entre si como a noção de distanciamento e de proximidade, de movimento e estaticidade, de simbologia conservadora e libertária, da devoção/recato e do profano/prazeroso. E nesse universo de pulsação vital, Nair Benedicto captura a figura feminina, que ocupa a posição cêntrica na cena e se deixa registrar sem filtros em um momento particular e simbólico de sua existência.

 

 

 

 

 

 

 

 

A aptidão que Nair tem em abstrair uma determinada cena de seu espaço-tempo e de projetá-la em nosso presente estimula a imaginação do observador que busca decifrá-la e interpretá-la a partir de sua própria realidade. A fim de aprofundar o significado que as imagens passam a ter para si, esse observador tende a „scannear“, a perambular sobre cada detalhe do plano fotográfico e esse, segundo o filósofo tcheco Vilém Flusser (1920-1991), é um caminho complexo que o olhar tende a seguir: um caminho formado e delimitado em parte pela própria estrutura da imagem e em outra parte pelas intenções do observador. Devido a essa ação de „scanner“, o significado de cada imagem passa a apresentar tanto a intenção da própria imagem, em seu particular microcosmo narrativo, quanto a do observador, em seu macrocosmo social, fazendo com que cada imagem forneça complexos de símbolos conotativos. Ou seja, cada imagem abre espaço para variadas interpretações e intenções – dependendo justamente do olhar de quem a scannea e a decifra. E cada imagem de Nair Benedicto nos permite deambular pelo recorte de um determinado universo particular que ela capturou com seu olhar e nos oferece. A cada imagem registrada somos levadas a um instante de convivência e interação com as mulheres ali representadas e podemos, através de nossa leitura em „scanner“, preenchê-la com nossas próprias intenções, interpretações e experiências.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Enquanto o olhar do observador capta um elemento após o outro do plano da imagem, ele passa a estabelecer relações de significados entre esses elementos internos em si, entre esses elementos e outras imagens já vistas anteriormente que lhe marcaram profundamente, entre esses elementos e a realidade do próprio observador. Nesse movimento que aponta tanto para o universo interno quanto para o externo da imagem ali retratada encontra-se um mundo mágico: um mundo onde tudo acaba se repetindo e interligando o passado ao presente; onde tudo compõe um contexto de significados variados e interconectados a partir do olhar de cada observador. Nesse sentido, a abordagem do universo feminino pela lente de Nair Benedicto aponta para um mundo mágico porque retoma e conecta o passado ao presente através da representação de temáticas recorrentes e pertencentes ao universo feminino. Numa espécie de eterno retorno ao contexto do femenino e seus enclaves ainda existentes, especialmente na abordagem e na evocação de „o prazer é nosso sim e não há razão para repressão alguma“ ou „essa é a fé menina – minha constituição natural e da qual não devo me envergonhar“ Nair Benedicto trabalha a estética de ser fêmea, de ser mulher sem medo ou repressão alheia.

 

A magia das imagens de Nair Benedicto encontra-se também presente na inusitada combinação entre a ambientação etérea e a realistamente brutal, como no retrato das mulheres do sisal. Uma magia que aponta o poder transformador da fotografia na qual acredita a artista, já que “Por meio dela [fotografia], procuro chamar a atenção para questões que considero relevantes para a sociedade”.

 

 

No curto documentário abaixo, ouvimos Nair Benedicto falar especialmente de dois trabalhos audiovisuais que lhe marcaram: “O prazer é nosso” e “Não quero ser a próxima”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Observações: 

"Louvação à Iemanjá", 1978
"Louvação à Iemanjá", 1978
press to zoom
"Pagadora de promessa", 1981
"Pagadora de promessa", 1981
press to zoom
"Tesão no Forró do Mário Zan", 1978
"Tesão no Forró do Mário Zan", 1978
press to zoom
"Mulheres trabalhando no sisal"
"Mulheres trabalhando no sisal"
press to zoom